despedida a três artífices

Entre as noites de 27 de julho e 2 de agosto de 2008, a arquitetura brasileira perdeu três de seus grandes artífices: o artista Athos Bulcão, e os arquitetos Joaquim Guedes e Milton Ramos.
Artífice é palavra que cai bem aos três, pois significa a uma vez artesão e inventor, sugerindo que é da prática cotidiana do ofício que decorre a inovação.
Joaquim Guedes foi artífice do discurso aquitetônico, manifestado em seus textos, edifícios, planos urbanísticos, na prática docente, na política. Em todas estas instâncias, o cuidado e o labor no talho da palavra deixou a marca da profundidade no texto. Tendo se formado em 1954, participou do concurso de anteprojetos para o Plano Piloto de Brasília, afirmando já ali a integração indissociável entre todas aqueles campos da arquitetura.
Athos Bulcão foi artífice das artes. Dominava o desenho e a pintura com a desenvoltura que lhe rendeu diversos prêmios em exposições e concursos. Mas foi na integração de sua obra com a arquitetura que um novo mundo de possibilidades se abriu. E foi em Brasília, com seus painéis e sua azulejaria que o artista ajudou a construir uma nova paisagem para o dia-a-dia. Athos sinalizou com o cuidado de um ourives que qualquer material, tratado com compreensão, torna-se arte.
Milton Ramos foi artífice do projeto e da construção. Logo de início emprestou seus cuidados e seu suor ao legendário milhar de pranchas que compõem o detalhamento do Palácio do Itamaraty – desta obra prima de nossa construção . E mais além do cotidiano do projeto, foi nas obras do cotidiano brasiliense que Milton exerceu seu trabalho exaustivo. Seus edifícios residenciais, seus clubes, seus aeroportos, destacam-se pelo zelo no trato dos materiais, pela ordenação clássica dos elementos construtivos, pela disposição espacial simples e rica. E fascinam a todo aquele que, envolvido ou não com o mundo da construção, admira um trabalho bem cuidado.
Três artífices. Três conjuntos de obras tão diversas e tão similares, e todas de algum modo ligadas a Brasília. Três ausências monumentais no lapso de uma semana. Cabe a nós buscar estudá-las e entendê-las para fazer do trabalho desses homens uma lição.

danilo matoso macedo
arquiteto e urbanista
núcleo docomomo brasília

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: